Idiomas
Di Franco - Estratégia de Mídia | Brasil, risco da radicalização
A Di Franco Consultoria em Estratégia de Mídia trabalha ao lado das empresas jornalísticas no desenvolvimento de projetos.
Di Franco Consultoria, Estratégia de Mídia, empresas jornalísticas, desenvolvimento de projetos, jornais, mídia, consultores, Carlos Alberto Di Franco,
15835
post-template-default,single,single-post,postid-15835,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,side_area_uncovered_from_content,qode-theme-ver-9.3,wpb-js-composer js-comp-ver-4.11.1,vc_responsive
 

Brasil, risco da radicalização

Brasil, risco da radicalização

O Brasil está ficando esquisito. Violência sempre existiu. A decantada cordialidade brasileira dissimulou, frequentemente, o lado sombrio do nosso cotidiano. Mas agora é diferente. Não se põe o sol sem que imagens brutais alimentem a edição dos telejornais da noite. Linchamentos começam a fazer parte da rotina informativa. Para onde vamos? Como é que chegamos a isso? Todos sentem que a coisa está mal parada e não vai acabar bem.

Recentemente, Carlos Augusto Montenegro, presidente do Ibope, deu sugestiva entrevista à jornalista Sonia Racy, editora da coluna Direto da Fonte, do jornal O Estado de S.Paulo. Vale a pena reproduzir suas declarações: “Estou aqui há 42 anos e acho que esta é a eleição mais difícil da história do Ibope. A impressão que me dá é de que realmente o Brasil precisa fazer uma reforma política, mas fazer mesmo. Sinto que as pessoas estão nauseadas, enfadadas, não sei o termo, estão enojadas. A princípio, pela leitura das pesquisas hoje, quem é o grande ganhador da eleição? Ninguém. Está cada vez maior a fatia de branco, nulo, indeciso”. A decepção com a política é completa. “Se o voto fosse facultativo, quase 60% não votariam nesta eleição. As manifestações do ano passado já foram um aviso disso. Eu diria que qualquer um dos candidatos que vencer a eleição será uma zebra –qualquer um, porque o desânimo, a tristeza com a política, a falta de sonhos e de programas é imensa”.

As reflexões de Montenegro explicam muita coisa e acendem uma poderosa luz vermelha. A sociedade está exaurida. A incompetência e a impunidade são o estopim da radicalização. Os problemas de mobilidade urbana, falta de segurança, carências na área da saúde, da educação passaram da conta. Pronunciamentos na tevê e transferência de responsabilidade não funcionam mais. Não adianta falar das maravilhas do Mais Médicos para uma pessoa que é maltratada no posto de saúde. É ridículo anunciar bilhões para mobilidade urbana para gente que passa, diariamente, três ou quatro horas numa condução para chegar em casa ou no trabalho. O povo cansou. E a exaustão pode despertar forças incontroláveis.

Os linchamentos, assustadoramente frequentes, refletem a perigosa e radical descrença das pessoas nas instituições democráticas. O risco do caos social não é uma hipótese alarmista. E a possibilidade de uma solução radical e autoritária também não. A defesa da democracia passa pelo fim da impunidade e por respostas claras às justas demandas da sociedade. O dinheiro que desaparece no ralo da delinquência é uma tremenda injustiça que vai minando a República. Pagamos impostos extorsivos e recebemos serviços públicos de péssima qualidade. A economia range não por falta de vigor e de empreendedorismo. Ela está algemada por uma infraestrutura que não funciona e, por isso, os produtos não chegam ao destino.

Os políticos e governantes precisam acordar. Os justiçamentos, terríveis, são o primeiro passo de comunidades que começam a virar as costas para as estruturas do Estado. É preciso dar uma resposta efetiva aos legítimos apelos da sociedade e não um discurso marqueteiro. A crise que está aí é brava. O isolamento mental de Maria Antonieta, em 1789, acabou na queda da Bastilha. A história é boa conselheira. Os políticos precisam sair um pouquinho da Ilha da Fantasia e sentir a temperatura do Brasil real. Os brasileiros merecem respeito.